sexta-feira, 20 de maio de 2011

Sente.





Sonhei com você debruçada num balcão feito aquele em que o Lorca fazia suas poesias. Lembra? A gente viu num filme, que eu odiei. Mas assisti porque enfim, gosto de te agradar, ou melhor gostava. No bacão tinham flores coloridas, você chamaria de flores do campo, mas não sei se são. Eu só te dei rosas não é? Quanta bobagem! Mas você gostava mesmo eram de damas da noite, ervas daninhas e plantas carnívoras... Deveria ter te dado uma planta carnívora genéticamente modificada... Pra ela te devorar, antes que desse tempo de te odiar.
Lembra, quanto te dei um colar de perolas?
" - Luisa, tenho um presente, é uma coisa que transpassa gerações...Pertenceu à minha bisa, e agora sinto uma vontade imensa de entregar à você."
Desamarrei o laço dourado, e tirei o presente do saquinho de veludo vermelho.
" - Pérolas? Não não posso Pedro."
" - Que isso, não... É de coração, você é a mulher que merece receber essa jóia."
" - Mereço?"
Ela ficou reticente, olhando pros meus sapatos. E sem levantar o olhar disse:
" Você sabe de onde vem as pérolas?" antes que eu pudesse pensar em responder, ela disse com os olhos ainda nos sapatos.
" - Ela surge da dor. A ostra sente dor ao produzir a pérola... Você gostaria de carregar a dor de alguém? Porque eu não, mal posso suportar a minha."
Levantou os olhos, mas não me olhou. Olhava pra algo no fundo, e tive muita vontade de me virar pra ver o que ela olhava enquanto falava aquelas baboseiras de sempre.
Que dor ela teria? Eu dava tudo, tratava ela como uma princesa. Afinal que dor era essa que ela não podia suportar?
Ela fugiu, saiu, sumiu e agora aqui dentro do metro sonhei com você. Não quero saber que sinto sua falta! Mas sinto tanto, e sem nenhum resultado, que agora a falta e a saudade são lúcidas.
Lembra quando te encontrei pela ultima vez? Você mentiu, sei que sim.
" - Eu te desculpo por todas as besteiras que você disse e por me deixar sozinho, mas volta comigo pra casa. Ta todo mundo lá achando que eu tô louco... Vem Luisa, vem provar que loucos são eles!"
" - Não posso Pedro. Estou morta."
Eu sei que você mentiu. Por que fica todo mundo querendo me enganar? Se você não quer assar o pão pra mim de manhã, se não quer colher manjericão no quintal pra temperar o molho do macarrão, se não quer fumar umzinho comigo tudo bem Luisa, eu tento te entender. Mas não vem com essas mentiras! Isso dói.


ps: a aquarela linda é da Karise :]

Nenhum comentário:

Postar um comentário