quarta-feira, 11 de maio de 2011

Secreto.

"E mais um avião colide na Lua! E ninguém faz nada pra conter os pilotos piratas! Onde está o partido? Onde?" O apresentador do telejornal diz gritando e provavelmente cuspindo na camera. Desligo o aparelho estranho e deito no chão. Hoje vou dormir no chão, preciso melhorar minha coluna, quem sabe funcione... Quero pensar num quarto branco, sem cheiro e sem som, onde eu poderia não pensar em nada. Mas já estou pensando no quarto branco, já estou pensando em não pensar. Já tentei todos os mantras, ervas e remédios, nada me fez chegar ao quarto branco. E você se pergunta: "pra que?" Porque quero esquecer dos rostos que vi hoje.
Estava vindo pra casa e pensei em coisas dolorosas, faz tanto tempo que estou aqui, e ainda não me acostumei com essas situações e comportamentos enraizados estranhamente. Vi uma menina, de uns 15 anos chorando no ponto do ônibus, e me perguntei quando ela entraria no estado em que chorar em público é algo inimaginável. As crianças choram sem nenhum pudor, choram por todas as coisas possíveis. E quando atingimos uma certa idade secreta, queremos ser fortes...Somos tão babacas! Seguramos o choro e achamos poético dizer que lugar de chorar é debaixo do chuveiro. Quem disse isso sociedade de merda? Lugar de choro é onde ele quiser rebentar, segurar choro faz mal, segurar choro é hipocrisia, deixem que ele venha, moças maquiadas. Depois atingimos uma outra idade secreta, em que qualquer lembrança, pode ser um cheiro, um lugar... Qualquer coisa é motivo de choro saudoso.
Escrevi no meu caderno: " Queria muito saber por que chora, menina." O fechei, e quando voltei a olhar pela janela do ônibus vi uma senhora, uns cinquenta anos, mexendo numas sacolas de lixo, separando latas de cerveja... E me perguntei: que estágio é esse? Esse não requer uma idade secreta. É um estado que não admite vergonha, nem nojo e nem pudores. É o caos, é a fome, é o ser humano despido de todas as maquiagens.
Entendem por que quero alcançar o quarto branco? Espero de verdade que essa dor nas costas passe.

5 comentários:

  1. ¹² Quarto branco?

    Ervas e remédios não farão você chegar lá; Talvez o mantra sim, mas isso requer prática e tempo e mesmo assim você pode não conseguir atingir o tal quarto.

    Vejo dois caminhos para se chegar ao quarto sem cheiro, e sem som. O primeiro é como uma utopia. Consiste em fechar os olhos e não ver a sociedade que nos circunda. Uma espécie de ser humano indiferente e insensível. Já pensou em isolar-se? Viver numa bolha, ou em um deserto com os olhos vendados? Acredito que não almeja seguir esse caminho, pois é bem mo-nó-to-nooo...

    Então lhe proponho outro caminho, esse é tangível por todos; desde a menina, a senhora catadora de latas e até mesmo você e eu. Mas não vejo motivo nenhum para abreviar tal percurso. Ao último itinerário não se pode escapar.

    Eu tenho uma dúvida, pois não sei se quarto aonde chegaremos um dia é branco ou negro; sem som, sem odor e sem cor.

    Aceitar a realidade é difícil, mas faz parte da condição humana; a doença, a velhice, a pobreza - tanto interior quanto a exterior – e a tristeza, são coisas das quais todos tentam escapar, no entanto eles se mostram inevitáveis.

    “Somos tão babacas!” por conter o choro. Esse verbo conjugado na primeira pessoa do plural foi inacreditavelmente bem empregado.

    Nós seguramos o choro por vários motivos: para não pareceremos fracos, para não aparentarmos tristeza, mas a principal razão é para não contagiar os transeuntes que estão a nossa volta com as nossas lágrimas e com nossa melancolia. Exceto a aqueles amigos que estão conosco para nós ver chorando, e nos confortar, pois uma dor compartilhada se reduz a metade. O ato de chorar é fascinante, pois faz refletir e por conseguinte se sentir vivo.

    A senhora, como você não imagina deve ter vergonha sim! Não de catar latas, mas de pedir esmola ou buscar meios mais fáceis de conseguir dinheiro. Isso é admirável.

    Você não tem motivos para esquecer os rostos que viu hoje, apenas veja por outro ângulo. Há muito com o que aprender com eles...

    ResponderExcluir
  2. Eu novamente nao fiz um autoconto. E onde está a dica amelie?

    ResponderExcluir
  3. ¹³ Jurava que dessa vez era um autoconto, porque já a vi no ponto de onibus.

    ResponderExcluir
  4. :] quem é vc anonimo? Em que ponto me viu?

    ResponderExcluir
  5. Não fui eu quem apagou os comentários. Foi algum problema no blogger :]

    ResponderExcluir