terça-feira, 29 de março de 2011

vocês não Tao com nada e nem entenderão.

Entrou na estação de trem e seguiu andando na linha de segurança amarela. Olhava a linha até seu final, e parecia ver o infinito, mas a linha era finita. E todos olhavam curiosos para a moça. Os cabelos esvoaçavam... Ela era triste, talvez sem nenhum motivo justo, mas era.




As vezes dói ter você, e pensar nas possibilidades, no futuro e no agora. Queria intensidade... Eu tô mesmo é mal acostumada. Talvez o bom sejam as coisas correrem de maneira calma, sem paixões devastadoras... Agora sinto mais vontade de me cuidar. Mas daí você aparece e da vontade de me jogar, e por você no meu sofá nos fins de semana. E agir feito louca, te amar nas escadas e imaginar cenas.

E o vento dança no quintal, e a chuva samba no telhado, e eu volto a sentir enjoos e penso é melhor assim. E o cachorro pede socorro, ligo o som para que os vizinhos não escutem minha loucura.

Estou aliviada. Tempo tempo tempo tempo tempo. Para.

Um comentário:

  1. O Tao é um caminho de sabedoria que se consegue na incerteza do vazio. Dani não pôs o til no Tão.do título. Na busca do infinito, a gente acaba topando com as linhas finitas . E o que é finito não pode viver uma intensidade constante.A moça quer calma, mas os hormônios, a libido, o “imaginar cenas” eróticas e trepadas na escada (também no 20º.andar e no porão ?)ou simplesmente o costume do sofá. Ah, o sofá com a moça deitada, ah, as paredes, o chão, tudo serve para a exasperação da pulsão enlouquecida.À moça não interessa o bom comportamento de um membro da classe média. A ela só interessa o membro do jovem namorado, e suas carícias, e a solta imaginação como uma proposta de quase toda mulher:“ faz o que tu quiser”. E o Universo é o Tao: e o vento dança, e a chuva samba, e a moça grita de prazer e aumenta o volume do som. O Universo é o Tao e faz da moça uma iluminada. O namorado felizardo é o Tal : faz da moça uma alucinada, despudorada, desregrada. A frase final é um mistério zen : “estou aliviada. Tempo tempo tempo tempo tempo. Para.” A moça quer que o tempo pare para que o prazer continue infinito? Ou quer que ele pare porque o prazer já veio e geralmente as mulheres “pedem um tempo” e não agüentam ser tocadas depois do orgasmo ? A resposta só ela tem. Pra mim, o segundo conto erótico de Dani. Eu que gosto me delicio. Ou não é nada disso que ela quis dizer :”? Eu posso não tá com nada e nunca entender. A feiticeira jogou essa praga no título. E a personagem ficou um é um dos mistérios do TAO . Só lamento não ser o TAL dessa moça do conto.Uma zen esvaziada de pudor e plena da sadia sensualidade feminina.

    ResponderExcluir