sexta-feira, 18 de março de 2011

Eu te abro as cortinas da manhã.

Caminhavam os dois, de mãos atadas de superstições engraçadas, com o coração ansioso... Mas por que a pressa? Era a pressa de ter certeza, era a vontade de ouvir e dizer palavras confortadoras. Sabe, existem palavras que podem mudar o curso de um sentimento; por isso é preciso dizer, expressar. Acredito que o amor, ou qualquer coisa dúbia como ele, deve ser feita de gestos, que as vezes destroem e outras vezes constroem. Mas, daí vem o medo... Quais palavras edificam e quais desedificam? Não dá pra saber, é triste, mas não dá mesmo.
Ela cantarolava qualquer coisa, e ele observava. E sempre quando ela ia embora, os olhos dele seguiam preocupados. Mas agora eles andavam por aí com a mente distraída e com os corações unidos por algo que não cabe explicar. O vento batia rasgando, invadindo camadas da pele... Até onde o vento entrava? O suficiente pra se fazer notar, e balançava os cabelos dela, procurava espaços pela barba dele. O que será deles? Sei que estão tentando viver bem. Fazer bem um ao outro, confiar e sonhar.
- Você quer casar?
- Quero... E você?
- Sim, acho que sim.
E agem como se coisas fossem certas, numa condição deliciosa. Pra que pensar? Tem algo que diz, não sei quem disse, que não se deve sofrer por antecedência. Até porque, dessa vez, o sofrimento não vai chegar, eles não irão deixar.
- Vou te cuidar e te gostar...
E eles correrão o mundo, sim, agora dei pra fazer previsões. São só duas crianças querendo a felicidade.
- Vou te acompanhar nos teus sonhos.
- Quero você aqui hoje, amanhã e depois.
- ... E sempre.





3 comentários:

  1. Vejo nesses contos, que chamo " contos de esperança de Dani" o outro lado da lua, a que a gente não vê da Terra, a tal face escura.E ,concordando com você, as palavras não definem : a face escura é porque a gente não a vê como vê a que o Sol ilumina. Ela é também luz, e talvez a luz verdadeira, a luz própria da lua.Só que luz oculta,intimidade de coisas que chamamos luas.Intimidade feminina que palavras parecem não poder revelar. Porque palavras não tocam segredos. E mulher é segredo, e sua escrita tem consciência do quanto as palavras podem nos fragilizar. Principalmente quando se ama.E às vezes se ama sem saber ,porque a palavra ficou guardada ,escondida no coração.E às vezes se ama e não se diz, por puro medo : de ficar frágil diante do outro, de parecer ridículo diante dos outros, de afastar de vez,com a palavra, o que queria atrair, felicidade clandestina guardada, alimentada,sonhada.E se isso tudo também acontece com o homem e não é só intimidade feminina? Se é uma “intimidade a dois”, mas que fica oculta, pairando em volta, formando uma aura entre um homem e uma mulher.Segredos intocados.Palavras presas. Emoções que se dispersam e acabam se diluindo. Pelo medo da perda.
    O seu conto diz:” Sabe, existem palavras que podem mudar o curso de um sentimento; por isso é preciso dizer, expressar. Acredito que o amor, ou qualquer coisa dúbia como ele, deve ser feita de gestos, que as vezes destroem e outras vezes constroem. Mas, daí vem o medo... Quais palavras edificam e quais desedificam? Não dá pra saber, é triste, mas não dá mesmo.”
    Aqui você fala com o mesmo sentimento de medo que tinha Clarice Lispector: cisma com as palavras, desconfiança, certeza de que são incapazes de expressar algo tão complexo e profundo como o amor. Amar alguém. É possível, Dani ? Eu, um simples e angustiado homem de 101 anos, ainda creio que sim. Basta que uma mulher concorde, acredite, aposte.Que ela, no momento em que decide abrir as cortinas da manhã, os dois apaixonados recitem o encantamento que libera as crianças para a felicidade :
    -”Vou te acompanhar nos teus sonhos.
    - Quero você aqui hoje, amanhã e depois.
    - ... E sempre.”

    ResponderExcluir
  2. Bonito!
    "Tem algo que diz, não sei quem disse, que não se deve sofrer por antecedência..." O Problema de ñ sofrer por antecedência é saber que pensar sobre o assunto já é cogitar a idéia da perda, ou da volta não sei...
    Bacana...

    ResponderExcluir
  3. " Não te dizer o que eu penso, já é pensar em dizer" Daí tem outra coisa que diz, melhor mesmo é não pensar, simplesmente e muito naturalmente ir :] Ahh e que bom que gostou :]

    ResponderExcluir