segunda-feira, 14 de março de 2011

Ponto de partida.

Tenho 42 cartas tuas, das mais bobas até as mais profundas. E hoje, não sei por que resolvi as ler, e senti um frio imenso como a morte, porque foi exatamente isso que aconteceu, eu morri. Morri nessas cartas, naquele tempo e não me reconheço em nenhuma linha. Achamos por um longo tempo, que um se adaptou ao crescimento do outro... Que ilusão! Você cresceu e perdeu o encanto, o brilho dos olhos quando me via. Eu cresci, e você ficou procurando um vestígio da menina que conheceu. Deitávamos na cama: antigamente, você gostava de como eu ficava te olhando, e de uns tempos pra cá você ficava sem jeito, dizia: " Dá vergonha alguém ficar olhando assim." Você arrancou todas as pétalas desse amor, e quando restou o caule, quando até poderíamos regar a flor, você arrancou pela raíz. Houve sofrimento? Talvez sim, mas um bem comportado e silencioso.
De princípio eu fiz tempestade, te gritei, te chamei e te amei, mesmo não querendo. O amor é assim mesmo. Um dia nos veremos pra conversar bobagem. E talvez você se apaixone pela Helena mulher. E talvez eu me apaixone pelo Flávio frio. Mas vai ser tarde, eu sei que vai.
Você se perdeu, e o pior a culpa pode ser minha, eu causei isso. Não vamos levar o que houve de ruim. Eu sei que você vai me chamar, mas eu não quero, e não vou mais te escutar. Tem outro alguém, no teu lugar.

" Nem choro mais, só levo a saudade morena... É tudo que vale a pena."





Eu tentei evitar
Liguei a tevê
E deitei no sofá
Desde que haja tempo pra sonhar
E assuntos pra desenvolver
Não é muito fácil desligar
Me dá pena do meu chinês
Por ele eu passava o dia inteiro
A meditar
Bebendo chá verde ele me diz
"Fica feliz que vai funcionar"
Mas eu tô feliz,
Eu juro pelo meu irmão
O saldo final de tudo
Foi mais positivo que mil divãs
Por isso que não adianta
Querer julgar
É cada um por si
Na sua
Própria bolha de ar
Mas o que eu penso mesmo
É encontrar alguém que me dê carinho e beijo
Me trate como um nenêm,
Me trate muito bem
Ah, eu só quero amor
Seja como for o amor
Seja bom, seja bom,
Seja bom, seja amor
Me faz mais feliz
Me dá asas pra fluir
E cantar o amor

Um comentário:

  1. “Tempo,tempo,tempo...venho te fazer um pedido”(Caetano Veloso : Oração ao Tempo”)
    A cartomante de Machado de Assis apareceu neste conto para fazer a linha do tempo de uma mulher ? Dizem cartomantes, videntes, e outros entes : a linha do tempo se faz com 42 cartas do Tarô (21 arcanos maiores e 21 arcanos menores, a carta do Louco fica de fora, acompanhando tudo pois é a própria pessoa que consulta).Cartas na mesa, a consulta começa. O jogo é implacável : expõe a morte de um amor. No conto, a personagem lê as 42 cartas de um homem a quem amou. E sente o frio da morte bem perto. O jogo do tempo é também o jogo da morte. Ela lê cartas escritas,o comentador acompanha um jogo imaginário e simbólico que é feito em uma dimensão paralela para esta mulher. Ela é jovem, é madura ? Não sei. Não tenho pistas. Helena, a “ consulente”, vê que a carta 6, os gêmeos que se amam, já não revigora a antiga paixão. Os dois amantes cresceram.O número 6 se duplicou na carta 12, o Enforcado : posição estranha, de cabeça pra baixo e pernas cruzadas. " Dá vergonha alguém ficar olhando assim." Depois da carta 12 , final sofrido que se prenuncia, sai outra carta “pesada”,negativa : a Torre, carta 16. Numa tempestade, um raio destrói alicerces, voam pessoas, o abismo engole tudo.” De princípio eu fiz tempestade, te gritei, te chamei e te amei, mesmo não querendo”. A torre desaba, não adiantam os gritos, e os corpos se juntam na queda , não porque se desejam mas porque caem juntos num abismo de desamor e desgaste. Sai agora a carta 18, a Lua,a ilusão,confirmando: tudo andando pra trás, o caranguejo com a luz do enganoso luar, nada mais se pode fazer. “Achamos por um longo tempo, que um se adaptou ao crescimento do outro... Que ilusão! “ E a última carta é a que precede a carta da consulente (lembremos que a carta o Louco, a carta Zero, representa quem faz a consulta). A carta que precede O Louco é o Mundo:” Eu sei que você vai me chamar, mas eu não quero, e não vou mais te escutar. Tem outro alguém, no teu lugar.” Não sei se as cartas menores do Tarô reforçaram tudo o que as cartas maiores disseram. Talvez inconscientemente, Daniii traçou a linha do tempo de Helena. E essa garota escritora já escreveu muito sobre a corrosão que o tempo provoca nos relacionamentos afetivos e na materialidade dos corpos:“caducos” como velho que viu a Vênus se afogar, obsessivos como o saxofonista que envelheceu esperando a pintora voltar no Parque Trianon, ou corpos deformados pelo tempo como o casal de Betina.Daniii se transformou na cartomante, mostrando à outra mulher o final de todos os amores. Todos. Mas o que se há de esperar de uma jovem escritora nascida sob o signo de Câncer, regido pela Lua, senão que ela mais uma vez recrie, neste genial e melancólico conto, senão a Ilusão
    da Carta 18 ?
    RobertoMenezes

    ResponderExcluir