domingo, 10 de abril de 2011

Chora Pierrot.

Meus cabelos estão claros, do jeito que você não gostava. Talvez pintar os cabelos de louro acaju é uma forma de não lutar mais por você. É uma forma discreta de dizer que não gastarei essa pouca energia me esforçando em te agradar a distancia. Porque essa distância é tosca. E nossas ultimas conversas foram ainda mais toscas: Eu ameaço me matar(tem coisa mais idiota ou melodramática?) e você age como um psiquiatra " calma, você tem muito o que viver" e conclui: "se cuida." Devo ter ouvido nesses ultimos meses uns mil e quinhentos "se cuida" no som da sua voz, que antes servia pra dizer " te amo, hoje e amanhã e sempre." É difícil encarar que a sua voz não dirá mais eu te amo. Antes era tão simples, e agora ouvir um eu te amo seria a cura. Cura do que?
Nós iríamos casar, lembra? Discutíamos horas o que tocaria na minha entrada na igreja. Você todo conservador queria violinos e eu queria que tocasse all star, relicário ou sinceramente. E sempre acabávamos rindo muito das discussões antecipadas. Ah que merda! Não quero rememorar nada disso. Quero te apagar, vou contratar um especialista nisso... Vou te apagar e ser muito egoísta pra deixar você sofrer sozinho.



p.s (meu, Dani.) Sei que os últimos contos estão muito dramáticos, e que tá chato ler tanta coisa sobre o mesmo assunto. Mas é uma fase que encerro (por enquanto) hoje.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Psicologia feminina é labirinto e paradoxo.Quase sempre imprevisível. Quase sempre previsível, como nessa necessidade constante que a mulher tem de ouvir do homem com quem ela se relaciona: ”te amo, te amo, te amo”.Homem que não entende essa compulsão é capaz de responder sem tirar o olho do futebol na TV: “Amo,amo,amo”. E aí acaba o amor, vem o desabafo com as amigas, talvez até o pretexto que ela quer para “novas experiências” onde vai sempre perguntar ao homem : “você me ama ?”. O cara diz :”Amo”. Ela :”Diz de novo:”Amo você, Maitê.Diz”. O cara repete e ela retruca: “Olha, você nem notou minha saia estampada”. E assim começa mais uma guerra conjugal.A escritora Danielly Teles tem o poder de apagar quantos Pierrots ela crie em seus textos. E como toda mulher:”ser muito egoísta pra deixar você sofrer sozinho”.Sem nenhuma resposta,sem nenhuma explicação,silenciosa.Ao pierrot que passou para a eatapa de cuidar – um aprofundamento do amor – sem deixar de amar ESSA mulher, recomendo cantarolar e meditar sobre o final da marchinha “Rasguei a Minha Fantasia”, dos anos 30. O autor é Lamartine Babo. Vê se ouve a música toda e guarda no coração este final .
    “Tentei chorar ninguém no choro acreditou
    Tentei amar e o amor não chegou
    A vida é assim, a vida é assim
    Comprei a minha fantasia de pierrot”

    E enquanto ela sorri para o novo amor , aproveita. E chora,pierrot.

    REMOVI UMA PRIMEIRA POSTAGEM PARA CORRIGIR UM ERRO DE CONCORDÃNCIA. A CORREÇÃO NÃO FOI SALVA. REMOVI A SEGUNDA,. VAIDADE BESTA MAS SOU UM COMENTADOR PROFISSIONAL.

    ResponderExcluir
  4. Triste =/
    'calma, você tem muito o que viver" e conclui: "se cuida." Devo ter ouvido nesses ultimos meses uns mil e quinhentos "se cuida"
    Essa é á ultima coisa que se quer escutar depois do fim de algo.Ou uma outra classica. " não era a hora certa" enfim... um conto triste em, moça.

    ResponderExcluir