terça-feira, 24 de abril de 2012

Um pouco de calor.

   Sento no banco contrário ao sentido do trem. Leio a mensagem que a mulher ao lado escreve ao marido: "Meu amor, estou chegando. To com saudade, 10 minutos to na estação." Um amor confortável ou o casamento dos pequenos burgueses: "Ele é o funcionário completo e ela aprende a fazer suspiros, vão viver sob o mesmo teto até trocarem tiros."? Não sei. Confiro no espelho do pó compacto se ficaram marcas dos seus dentes nas bochechas, pescoço e ombros. Ainda sinto seus dedos me apertando, querendo entrar na minha pele, fundir. Sinto também sua pele no meu dedo, meu cabelo enroscado na tua barba e tento, de olhos fechados afastar um fio de cabelo inexistente da minha boca. Sinto cheiro da tua saliva, posso até sentir o calor. 
  Seria muito mais fácil te deixar agora, encerrar tudo isso. Mas essa sensação de inacabado e tudo que te cerca e me cerca me tragam, me puxam e logo: tô no teu pescoço, no teu peito, no teu colo. E logo: sua barba toca na minha bochecha, minha mão pesa no teu ombro, teus braços envolvem minha cintura. A respiração fica rápida, os lábios secos um tanto rachados pedem por calor, por molhado. Então meus lábios pousam nos seus, sinto meu corpo mole, eu perco o equilíbrio e você me segura. Segura cabelos, coxas, braços, peitos. Rimos. 
 - Isso é maluco. 
 - Infinitamente maluco. Mas não consigo. Me dá uma coisa.
 - Que coisa! 
   Caimos no sofá, teu braço envolve toda minha cintura. Eu suspiro e você para. E eis que nos separaremos: pra depois voltar, pra depois pedir por liberdade. Pra depois sentir seus lábios secos pedindo, sem escrúpulos, um pouco de calor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário